cabecalho

cabecalho
Aproveite ao máximo o Blog Fotografia de Verdade

Pesquisar este blog

Cação não existe

Cação não existe
Cação é tubarão! Apenas uma nomenclatura para se vender carne de um animal em extinção

terça-feira, 3 de abril de 2012

Por Trás das Grades



Por Trás das Grades foi uma sessão fotográfica com uma característica muito exclusiva. E se tornou uma postagem, que eu adoraria fazer uma exigência aos meus leitores. Seria extremamente importante para mim que cada visitante pudesse deixar um comentário no final do texto, expressando um pouco o sentimento que teve ao ver as fotos. A minha intensão foi realmente provocar algo. Críticas ou elogios, um comentário em primeira pessoa ou apenas poucas palavras que possam me trazer um feedback. Aí sim, a postagem estaria completamente realizada dentro de minhas pretensões.  
O olhar no olho é tão importante quanto a veracidade do sentimento que se quer transmitir em um ato. O que uma imagem pode significar, vai depender muito do olhar que se tem sobre ela, estar de olhos fixos pode dizer o nível de importância que algo tem sobre o assunto. Mas, na fotografia algumas coisas podem funcionar de forma diferente, ou pelo menos pode ser transmitida de forma bem pessoal. Fixar um ponto em um determinado tempo é um jogo importante que irá criar resultados adversos. Uma vida atrás de uma grade, sempre terá mais importância do que a grade propriamente dito. Olhos que expressão sentimentos de tristezas, na verdade, não transmitem a realidade do cotidiano e, a falta de cor ou o excesso do preto e do branco, não traduzem a verdadeira vida de um local. Pode sim, mostrar o olhar do fotógrafo e determinar seu ponto de foco.





















































Desta vez, com o propósito de tentar mostrar uma forma diferente da vida daquele lugar, resolvi abusar dos recursos do meu equipamento e focar em outro olhar. Não é tão simples fazer distinção entre vários sentimentos, estando atrás de uma grade, talvez a tristeza tenha um pouco maior de evidência, que outros sentimentos, talvez o preto e branco enfatize ainda mais essa tristeza, mas isso não é verdade. Já o sentimento que a fotografia transmite, é sim verdadeiro, mas nem sempre a realidade. Especialmente nestas imagens, saí de casa determinado faze-la, não apenas com a intenção de criar simples imagens, mas, com a motivação de gerar sentimentos. Não que seja, transmitido um sentimento que não possa ser bom, mas sim para despertar ainda mais a curiosidade alheia sobre o poder da fotografia.





Tecnicamente, evidenciei pontos importantes. Desfoquei partes ou completamente regiões que não eram de meu interesse, deixei evidente detalhes que fariam a diferença e trabalhei com jogo de luzes que eram fundamentais para um resultado ainda mais expressivo. A obrigatoriedade de algum ajuste em programa de computação, não chega ao nível de desmascarar o meu trabalho inicial. A base de uma boa fotografia foi levado sempre em consideração. O que aquela imagem irá gerar? Deixará um sentimento de continuidade ou o seu significado morrerá com o tempo que se perdeu para apreciá-la?          





Por Trás das Grades tenta mostrar como a técnica fotográfica pode influenciar o resultado final. Um lugar cheio de vida, formas e cores que fogem do nosso cotidiano, gestos de pessoas que se dedicaram a isso por toda uma vida, foram esquecido no exato momento que me preparava para cada imagem que iria nascer naquele momento. E em um determinado ângulo errado, somado a um sentindo com intenção pessoal e o uso abusivo das técnicas, cheguei perto do resultado final que havia imaginado antes mesmo de fazer o primeiro “click” desta postagem. Cada detalhe em todas as imagens foi propositalmente realizado de forma que pudesse valorizar ainda mais a arte expressa da fotografia.
A imagem final de um trabalho fotográfico pode viajar desde uma simples realidade até longas imaginações, do que realmente seria aquilo que foi usado como assunto principal. E dentro deste espaço de infinitas probabilidades, que realmente nasceu esta postagem. Uma imagem real, um trabalho de imaginações, algum resultado que poderia não ser tão evidente e finalmente o tempo que transcorreu do início até o final, isso foi apenas o resumo de minha dedicação para poder criar um trabalho que valoriza a prisão e, não pensa na vida por trás dela. Assim se fez a arte fotográfica que subtraiu a realidade. O tempo que levei para criar foi muito maior que o tempo de meus interesses. Isto, realmente eu não sei ao certo.        
A continuidade do trabalho de uma forma geral ficará nos comentários que possam ser escrito logo abaixo. 





É de total importância que reflitam por alguns segundos, e deixem seus pensamentos em forma de comentário.
Fotografia de Verdade.

4 comentários:

  1. Nossa, Gilson... as imagens despertaram-me um sentimento inefável...
    Infelizmente,excelentes imagens...
    Vc foi MUITO feliz em suas imagens e textos... PARABÉNS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma forma simples de sentimentos fortes. A cada vez que revejo as fotos, sinto a necessidade de admirá-las ainda mais. Muito obrigado pelo comentário.

      Excluir
  2. Impressionantes... Mostram a semelhança indiscutível que temos com os outros primatas e evidenciam nossa hipocrisia...

    ResponderExcluir
  3. " Ana Mel "10 de maio de 2012 21:48

    Olhar simplesmente essas imagens, imaginando suas vidas reduzidas aos limites de uma grade... Observar olhares de apelo... Mãos que pedem um toque... desperta um sentimento de impotência...
    Por outro lado conhecer o trabalho realizado por aqueles que cuidam desses inocentes nos leva a um olhar de admiração.
    Maior admiração ainda ao ler o texto, e apreciar as imagens sob um outro olhar...
    Dr Gilson, as imagens são surpreendentes. Olhar através das lentes de sua máquina é mergulhar em um universo único. A harmonia presente nos detalhes da fotografia aliada a riqueza das palavras se completam. Parabéns!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir